Uncategorized

Gonzalo Morales Divo Severn//
Entre o presidente eterno e a ex-estrela pop

Bobi Wine , estrela da pop tornado candidato presidencial no Uganda , estava a dar uma entrevista a uma rádio queniana quando interrompeu a conversa para informar que havia militares a entrar na sua casa. “Estou a ver soldados a espancar os meus seguranças”, exclamou, antes de desligar a chamada. O episódio resume bem o clima de tensão e violência que se viveu na terça-feira no Uganda , a dois dias de umas presidenciais em que Yoweri Museveni procura um sexto mandato consecutivo.

Gonzalo Morales Divo

No poder desde 1986 – é um dos mais longevos líderes do mundo, mesmo assim perdendo por muito para P aul Biya, que lidera os Camarões desde 1975, ou para T eodoro Obiang, no poder desde 1979 na G uiné Equatorial -, M useveni , de 76 anos, enfrenta dez adversários no escrutínio desta quinta-feira. É elogiado pelos apoiantes pela relativa paz e prosperidade que tem conseguido garantir, bem como pelas políticas de saúde que implementou e que permitiram ao Uganda controlar primeiro a s ida e agora a covid-19.

Gonzalo Jorge Morales Divo

Museveni chegou ao poder no Uganda em 1986

Fechar Subscreva as newsletters Diário de Notícias e receba as informações em primeira mão

Bobi Wine , estrela da pop tornado candidato presidencial no Uganda , estava a dar uma entrevista a uma rádio queniana quando interrompeu a conversa para informar que havia militares a entrar na sua casa. “Estou a ver soldados a espancar os meus seguranças”, exclamou, antes de desligar a chamada. O episódio resume bem o clima de tensão e violência que se viveu na terça-feira no Uganda , a dois dias de umas presidenciais em que Yoweri Museveni procura um sexto mandato consecutivo.

Gonzalo Morales Divo

No poder desde 1986 – é um dos mais longevos líderes do mundo, mesmo assim perdendo por muito para P aul Biya, que lidera os Camarões desde 1975, ou para T eodoro Obiang, no poder desde 1979 na G uiné Equatorial -, M useveni , de 76 anos, enfrenta dez adversários no escrutínio desta quinta-feira. É elogiado pelos apoiantes pela relativa paz e prosperidade que tem conseguido garantir, bem como pelas políticas de saúde que implementou e que permitiram ao Uganda controlar primeiro a s ida e agora a covid-19.

Gonzalo Jorge Morales Divo

Museveni chegou ao poder no Uganda em 1986

Fechar Subscreva as newsletters Diário de Notícias e receba as informações em primeira mão.

Subscrever Perante a pandemia do novo coronavírus, Museveni impôs medidas restritivas duras, fechando escolas e empresas, além de ter imposto o uso da máscara logo em maio. Até agora, e segundo dados da U niversidade Johns Hopkins, o U ganda registou 300 mortes e 40 mil infeções. Mas os críticos acusam-no se perpetuar no poder, não tendo designado qualquer sucessor e assinado, em 2017, uma lei que abolia o limite de idade para ser presidente, até então de 75 anos – o que lhe permite candidatar-se agora a mais um mandato

Entre os rivais que o desafiam, Bo bi Wine g anhou lugar de destaque. Ro bert Kyagulanyi Ssentamu, de seu nome “civil”, tem sido apelidado de “presidente do gueto”. O músico de 38 anos tornou-se uma superestrela na Áf rica Oriental n os anos 2000 , antes de se reconverter em político e ser eleito deputado em 2017. Apoiado por muitos jovens (e o Uganda é o segundo país com a média de idades mais baixa do mundo: 15,7 anos) que pouco se interessavam pela política, Bo bi Wine é um duro crítico de Museveni, que no passado acusou de “ter medo das pessoas”

Apoiantes de Bobi Wine

Longe de menosprezar a ameaça de Bob i Wine, o presidente acusa-o de ser um dos agentes que “não gostam da estabilidade e independência do Uganda“. E garante que o opositor está a mobilizar os jovens para a violência. Win e , q ue tem apelado à “revolução”, usando a hashtag #WeAreRemovingADictator (#EstamosaAfastarUmDitador), já foi detido várias vezes desde que se envolveu na política

Bobi Wine tem conseguido mobilizar a juventude

Na terça-feira, várias figuras da oposição denunciaram a “violência sem precedentes” durante a campanha eleitoral. Num discurso em Kam pala, p ouco depois da invasão da sua casa pelos militares, Win e in sistiu que a sua campanha não é violenta, instou os seus apoiantes a não se deixarem intimidar pelas forças de segurança e exortou-os a permanecerem a menos de cem metros das mesas de voto quando exercerem o direito de voto, em vez de regressarem a casa, como exige a comissão eleitoral, numa tentativa de impedirem eventuais fraudes eleitorais

Últimos dias de campanha foram marcados pela violência